Quarta, 28 de Junho de 2017

Última atualização01:43:52 PM GMT

Você está aqui: Projetos Mulher mais política, mais poder Projeto “Rede Cultural da Mulher”
Banner

Projeto “Rede Cultural da Mulher”

E-mail Imprimir PDF

A UBM trabalha em rede para reforçar identidades e promover a construção de cidadania. Em parceria com o Ministério da Cultura, implantou a “Rede Cultural da Mulher”, projeto que envolve quatro Pontos de Cultura nas cidades de Ribeirão Pires/SP, João Pessoa/PB, Goiânia/GO e Niterói/RJ. A implementação destes pontos de cultura representa uma contribuição significativa para a minimização das diferenças entre homens e mulheres.

Segundo a coordenação do projeto, o projeto tem um eixo estrutural denominado Programa Cultura Viva. No aspecto cultural é trabalhado auto-estima feminina e o desenvolvimento da capacidade crítica, podendo resultar numa transformação sócio-cultural. No campo do direito, as participantes tomam conhecimento sobre a legislação que garantem o acesso à arte. Por fim, do ponto de vista econômico, o projeto contribui para o empoderamento social, instrumentalizando as integrantes para a inserção no mercado de trabalho.

A construção de uma imagem plural da mulher trabalhadora só será possível e socialmente democrática se os instrumentos de apreensão, edição e divulgação forem manipulados por estas próprias mulheres.

Sobre o projeto - Desenvolvido através do Ministério da Cultura , é coordenado pela pedagoga, professora de Educação Fundamental na Prefeitura de Santo André, Simony Mascarenhas da Silva, em conjunto com Carla Renata da Silva. Foi retomado no segundo semestre de 2011 e encontra-se em fase de organização, bem como de estruturação por meio das coordenadoras locais. “Estamos atendendo as mulheres nas comunidades e levando a importância da cultura para o empoderamento das mesmas e da superação das desigualdades. É uma forma de proporcionar a qualificação para elas através da cultura”, destacou Simony.

A UBM entende ainda que disseminar uma nova imagem para a mulher trabalhadora é fundamental para o movimento emancipacionista. Hoje, segundo o IBGE (2000), são 43,9% no mercado de trabalho, mas nele, não tem a mesma inserção que os homens. Apesar de ter havido uma expansão em seu nível de escolaridade, não são valorizadas. Elas estão presentes em atividades econômicas menos organizadas, geralmente, no setor terciário, são 40% destas mulheres que estão trabalhando na informalidade e por isso, estão mais expostas ao subemprego e desemprego.

ATIVIDADES:
Paraíba

Oficina de Música Popular (percussão). Instrutora: Nyldete Xavier
Oficina de Dança Popular. Instrutora: Mércia Kênia
Oficina de Teatro. Instrutora: Maria Betânia

Goiânia (coordenadoras estaduais Ana Claudia Barbosa Mendes e Ana Carolina Barbosa dirigentes da UBM)
Informática, com Camilla Resende Ribeiro de Oliveira.
Dança, com Regina Borges Dourado.
Música, com Sarah Medeiros Avelar.
Teatro, com Cristiano Martins de Souza.

São Paulo (coordenadora estadual Mirela Aparecida de Araújo Barbosa, dirigente da UBM).
Arte circense e recreação e Lazer, com Felipe Oliveira Liporoni.
Teatro, com Renato Cardoso.
Street Dance
Manutenção de Micro, com Daniel Donizete.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar